Muito já se tem discutido sobre os impactos globais que a pandemia do Coronavírus trouxe para o ano de 2020 e suas antecipações de tendências mundiais. As mudanças mais evidentes são em um novo comportamento da sociedade e também na forma de consumo – cada vez mais digital – com impactos em todas as esferas da sociedade – independente da idade, gênero ou classe social. A verdade é que todos, de certa maneira, estão enfrentando um novo cenário de vida por conta do Covid-19. 

Quando olhamos mais no detalhe para a China – um grande epicentro de inovações, consumo e tecnologia – já é possível observar que algumas tendências de comportamento estão atingindo a massa da população e tornando-se um novo jeito de viver. A China, além de ter sido o local de nascimento da pandemia, pode trazer spoilers de como as pessoas vão passar a se organizar daqui pra frente em diversos temas da vida. Por isso, nossa recomendação aqui é ficar de olho nesses três pilares de comportamento.

1. Alternativas de transporte

Existe um grande receio da população de contaminação de Covid – ou até de outras doenças – em locais com alto índice de aglomerações de pessoas. E por isso, os chineses já estão demonstrando um alto interesse em maneiras alternativas de se transportarem com o objetivo de reduzir a possibilidade de contágio. 

A partir desse desejo, os veículos elétricos estão ficando cada vez mais evidência. Tem-se notado que quando existe a possibilidade, usuários de transporte coletivo estão trocando esta modalidade de transporte por veículos menores e elétricos. Tanto é que o governo chinês reduziu alguns dos programas de incentivo fiscal para alavancar a compra de veículos elétricos. 

Mesmo que os fabricantes de baterias de lítio tenham sofrido com a situação da pandemia – uma queda na demanda de 5% no ano de 2020 – as expectativas são altas para este setor. Observa-se que a revolução de automóveis elétricos são um caminho sem volta e a longo prazo para o mundo.

No Brasil, motos e scooters elétricas aparecem como uma alternativa eficiente e de baixo impacto ambiental. De acordo com uma pesquisa realizada pela Mobility Futures, 37% daqueles que dirigem gostariam de deixar seus carros na garagem; já entre os usuários do transporte público, 43% prefeririam ter uma alternativa de mobilidade. E assim, a scooter elétrica tem ganhado adeptos que tem um comportamento de deslocamentos curtos e buscam alternativas com impacto menor no meio ambiente. 

A questão aqui é que formas alternativas de mobilidade estão sendo procuradas e valorizadas pela sociedade. Carros que andam a 40km/h, que não ocupam tanto espaço e que permitem um deslocamento mais individualizado ganharão cada vez mais destaque.
Serviços sem contato

2. Serviços sem contato

O distanciamento social está fazendo com que serviços e produtos que normalmente necessitavam de contato próximo para serem apresentados estejam sendo adaptados para manter suas vendas ativas, mas com segurança e todo o protocolo que a OMS indica para minimizar a possibilidade de contaminação. A redução de contato físico e obrigatoriedade de presença física já é uma realidade em diversas empresas do globo. Com isso, muitos setores estão encontrando alternativas tecnológicas para continuarem vivos em seu segmento de atuação.

Mas isso também é preocupação do consumidor final. De acordo com o instituto Nielsen, entre os produtos tecnológicos que as pessoas mais estão planejando comprar no futuro estão os equipamentos de Realidade Virtual (47%), drones (42%), óculos inteligentes (41%) e jogos eletrônicos (38%).”

A evolução de serviços sem contato extrapola o universo do varejo e atinge também o setor da saúde. Equipamentos para medir sinais de saúde e dispositivos de Realidade Virtual ou Realidade Aumentada já são documentados em clínicas e hospitais. 

Além disso, quem estuda já experimenta um novo formato de aprender. Dados apontam um crescimento de 600% de aulas em plataformas online – que vem mostrar que sim, é possível aprender a distância. 
Pagamento sem contato

3. Pagamentos sem contato

Por fim, o último pilar que vem chamando a atenção é o comportamento de pagamentos sem nenhum tipo de contato. Que o uso de cartão é cada vez mais recorrente e está cada vez mais difícil de encontrar cédulas e moedas, isso já é notável. Mas aqui, a pandemia trouxe uma sociedade cashless, com a ausência do dinheiro físico. 

O destaque é o país do oriente: a China já é considerada como uma sociedade que vive sem dinheiro no papel e realiza pagamentos de forma digital. Já são 850 milhões cidadãos que realizam pagamentos por celular. 

Esse ponto traz à tona de como as empresas precisam se posicionar e buscar formas inovadoras de trazer soluções de pagamentos digitais – sem considerar o dinheiro no papel. Para que sua empresa acompanhe a evolução comportamental de pagamentos digitais é necessário agir rápido. Quem fizer uso dessa inovação terá um diferencial com a reabertura econômica pós pandemia. 
Esses três pilares, de deslocamentos alternativos, serviços sem contato e sociedade cashless carregam tecnologia e inovações mobile. Aplicativos rodeiam essas alterações da sociedade e os usuários já estão demandando as mudanças. Vamos juntos atender essas revoluções?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *